Alta no preço da carne: o que fazer?

Larissa Carvalho

| 3 minutos para ler

Continua depois da publicidade

O ano de 2022 foi marcado por várias mudanças no comportamento do consumidor: e não poderia ser diferente, a alta da inflação atingiu vários segmentos da economia mundial e foi sentida de forma bem agressiva no Brasil. 

Os reflexos da economia atingiram sobretudo o setor alimentício que chega a 13% de aumento. Segundo o G1, o preço médio da carne bovina acumula 42,6% de aumento desde o início da pandemia da covid-19, em março de 2020.

O consumidor sente no bolso, mas quais as razões por trás do aumento? Vamos entender a seguir. 🤔

Leia mais: Aumento do dólar: entenda as causas e as consequências

Porque a carne aumentou tanto?

Quando olhamos o acumulado de aumento da inflação da carne até Junho de 2022, o total é de 42,6% de aumento desde março de 2020. As principais causas são:

  1. Inflação em alta, em especial no setor de alimentos que fez o custo de produção subir vertiginosamente nos últimos dois anos;
  1. A crise hídrica no Brasil, pois com a falta de chuvas, as pastagens são prejudicadas e os produtores precisam recorrer a outros meios para alimentar o gado, aumentando os custos da produção;
  1. O aumento do dólar causou o aumento das exportações em 36,8% no mês de Junho de 2022 em relação ao mesmo período do ano passado, o que gera queda na oferta interna do produto e, por consequência, aumento de preços;

Como substituir a carne?

Os brasileiros tentam driblar a alta de preço consumindo alimentos que podem substituir a carne bovina. Embora os alimentos abaixo também tenham sido impactados com aumentos consideráveis, a alta de preços é menor do que aquele sentido na carne bovina. 😔

  • Frango: é um substituto natural da carne bovina. Mesmo com a alta acumulada de 22%, ainda é o principal substituto da carne bovina nas mesas dos brasileiros;
  • Sardinha e Atum: fonte de ômega-3 e altamente nutritivo, o atum é um dos alimentos que têm sido bastante consumidos nos últimos anos devido ao preço das outras carnes;
  • Porco: outra proteína que tem sido bastante consumida nos últimos meses, teve queda de 5,52% em Junho de 2022;
  • Ovo: apesar do aumento agressivo de 12% em razão do preço do milho, por conta do alto valor nutricional e do preço base mais baixo, o ovo é cada vez mais comum no prato dos brasileiros.

Como comprar carne mais barata?

Os cortes mais populares, nobres e aqueles que possuem muita saída vão continuar caros, mas é possível encontrar carnes mais baratas ao escolher cortes menos visados por todos.

O Acém é um corte mais em conta para fazer na grelha em fogo alto. A Paleta segue a mesma ideia, também na mesma faixa de preço.

O Patinho é o substituto da alcatra e é bastante popular para bifes ou iscas para a frigideira.

A Ponta de Peito e o Músculo são cortes excelentes para fazer cozido na panela de pressão.

Sendo assim, o ideal aqui é evitar cortes prontos e mais “gourmetizados” que acabam influenciando no preço final – prefira peças inteiras para obter o melhor preço nos supermercados.

Leia também: O que é inflação e como ela pode afetar a saúde da sua vida financeira

O preço da carne vai baixar?

É difícil prever o movimento do preço da carne nos próximos meses, pois são muitas variáveis que devem ser levadas em consideração. Contudo, um relatório divulgado pela consultoria Safras & Mercado aponta uma possível queda de cerca de 20% em 2023.

Em um cenário mais próximo, é possível que ainda haja aumentos relacionados à variação do dólar e aumento da exportação para países que possuem alta demanda, como a China, por exemplo. 😨

Enquanto isso, é bem provável que a carne bovina continue sendo mais rara na mesa do brasileiro ao longo do ano de 2022.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *