Como não se endividar durante o ano?

Larissa Carvalho

| 3 minutos para ler

Continua depois da publicidade

Todo final de ano a promessa de um novo ciclo sem dívidas, sem consumo exagerado e um planejamento de cair o queixo. Mas como não se endividar diante de um cenário econômico delicado como o atual?

Muitas vezes, o endividamento passa a fazer parte da vida e causa preocupações sobre como manter as despesas em dia.

No entanto, existem algumas formas de evitar dívidas que consumam grande parte do salário. Além disso, é possível manter o equilíbrio para viver dias mais tranquilos e ter mais saúde financeira. Saiba como!

Leia mais: 4 dicas para quitar dívidas com juros altos pagando menos

Como não se endividar?

Para entender como evitar dívidas, é importante ter em mente a diferença entre dívida e inadimplência para que o assunto flua bem.

As dívidas são um compromisso de pagamento no futuro. Ou seja, usar o cartão de crédito, pedir empréstimo ou utilizar o cheque especial. Já a inadimplência é o não cumprimento do pagamento dessas despesas.

Para que as dívidas sejam evitadas, é importante seguir alguns passos e básicos no dia a dia:

Definição de orçamento

Quando o orçamento disponível fica claro, a definição dos gastos mensais pode ser adequada. Ou seja, os gastos não essenciais devem ser cortado para que não se tornem dívidas.

Evite o cartão de crédito e o cheque especial

O uso de ferramentas de crédito deve ser feito apenas em casos de extrema necessidade. O cartão de crédito, por exemplo, pode ajudar em compras de alto valor agregado, ou seja, itens de maior preço que podem ser parcelados.

Utilizar o cartão no dia a dia pode prejudicar o orçamento disponível, e em caso de descontrole, tornar-se uma dívida com incidência de altas taxas de juros.

Já o cheque especial pode ser utilizado quando o salário está prestes a cair, mas uma conta precisa ser paga dentro do vencimento.

Por isso, evite o uso dessas opções mesmo que o crédito pareça ser parte do seu orçamento.

Controle suas dívidas

Existem diversas formas de controle do orçamento, como aplicativos para controlar dívidas, planilhas e até o bom e velho caderno de despesas.

O mais importante é que essa visão seja muito clara para que surpresas desagradáveis não ocorram durante o ano.

O que fazer após me endividar?

Caso já esteja exista um endividamento e o objetivo é fechar o ano mais organizado, é importante listar as pendências existentes.

Liste e separe as dívidas

Ou seja, separar as dívidas e entender quais os juros de cada uma. A prioridade deve ser quitar aquelas com maiores taxas para não aumentar ainda mais o endividamento, dificultando a resolução.

Planeje o orçamento

Além disso, parte do processo é fazer um planejamento do orçamento, cortar todas as despesas desnecessárias e incluir as parcelas das dívidas como despesas fixas.

Limite o pagamento em 30% do salário

Para uma saúde financeira equilibrada, é melhor limitar as dívidas em 30% do salário. Sendo assim, se uma pessoa ganha R$ 2.000,00, as parcelas somadas não devem ultrapassar R$ 600,00.

Caso ultrapasse, é ainda mais importante eliminar gastos extras, como passeios, idas a restaurantes, pedido de comida, usar carro para curtas distâncias e compras que não se fazem necessárias.

Como renegociar dívidas?

A renegociação de dívidas pode fazer sentido dependendo da situação, principalmente quando sai do controle e existem muitas parcelas picadas, em diversas instituições. E claro, os juros devem ser considerados para que a dívida não se torne abusiva.

Comprometer-se apenas se puder cumprir

Sendo assim, depois de listar as pendência, é preciso definir um valor limite para negociar. Vale ressaltar a importância de não se comprometer com um valor maior do que se pode pagar mensalmente.

Neste caso, além da parcela, vale considerar poupar um valor fixo mensal para o caso de imprevistos.

A renegociação deve ser feita diretamente com a instituição financeira que possui conta, por meio de uma simulação, com o objetivo de negociar as dívidas existentes.

Caso a dívida seja com mais de uma instituição, depois de fazer a conta do valor total, vale procurar uma opção de empréstimo pessoal, simular os juros e as condições de pagamento, e contratar apenas se valer a pena e couber no bolso.

Leia também: Qual a diferença entre inadimplência e endividamento?

Com essas informações, você já tem ideia de como não se endividar durante o ano, certo? Continue acompanhando o nosso blog para se manter bem informado.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *